25 de abril de 2010

Sobre a Maturidade

                                                                                      make it grow...

Na semana que passou duas amigas, durante nossas conversas, me falaram que eu sou uma mulher madura. Será? Fico imaginando o porquê dessa opinião sobre mim. E isso me faz refletir sobre várias coisas da minha vida, vida essa nem sempre fácil. E chego a conclusão de que a evolução e entendimento do mundo me faz crescer.

Nem sempre foi assim, claro. Principalmente porque eu deixava sempre para os outros o ônus do que estava errado em minha vida. Ledo engano...E a vida me mostrou e mostra que somente eu posso responder por minhas alegria e infelicidades. Eu é que tenho que pegar a minha vida nas mãos e dar rumo à ela. De preferência, um bom rumo...

Não sei se o fato de eu estudar a Doutrina Espírita está me fazendo melhor. Sim, porque muito mais que estudar eu preciso colocar em prática tudo o que aprendo. Fácil? Às vezes sim, outras nem tanto mas nunca desistindo. Ou talvez seja por conta da idade e o amadurecimento natural que deve ocorrer. Ou ainda por conta da terapia que me faz respeitar a mim mesma. Na verdade, não importa. O que importa é que eu me sinto diferente de tempos atrás. E isso tem me feito muito bem.

Alguns exercícios super importantes já estão em prática, como já postado aqui: Amor e Perdão. Outros ainda estão sendo trabalhados como a falta de fé em algumas situações ou um querer imediatista de que as coisas se resolvam naquela hora. Aí me lembro que as coisas acontecem na hora certa, no lugar certo, com as pessoas certas, portanto não adianta sofrer por antecipação. E a calma e o respeito pelo ciclo natural da vida me trazem alívio e Paz.

O fato de eu estar dando o melhor de mim em toda e qualquer situação: no meu estudo, no meu trabalho, na minha família, no meu relacionamento com as pessoas; a aceitação dos fatos e das pessoas serem como são, cada um vivendo e agindo dentro de seu conhecimento, tem me feito crescer.

Na real a matemática é simples: plantação + tempo de maturação = colheita. Eu recebo o que dou, tenho de volta o que ofereço. Pode não ser imediato mas a vida se encaminha de devolver o que por mim foi plantado em algum momento. E quanto mais coisas boas eu plantar mais coisas boas eu vou colher e viver.

E, por acreditar e praticar tudo o que está escrito acima, eu consigo ser mais serena, ter uma vida mais calma, sem rancor, raiva, inveja e insegurança. É só eu respirar um pouco e a tranquilidade vem.

Será tudo isso a tal maturidade?

8 comentários:

Paula Nigro disse...

Gostei da reflexão. Coisa de gente madura!
Como já escrevi "por aí": não quero amadurecer, senão caio do pé...
hahahaha!!!
Quero amadurecer sim, mas o meu lado criança precisa se manter, senão eu nunca mais vou conseguir fazer piadinhas infames como essa.
Beijos!!!

Paula Nigro disse...

Olha aqui o que uma amiga (quase irmã) escreveu em seu blog hoje:

http://senhoritasafo.blogspot.com/2010/04/outra-vez.html

Acho que pode complementar as nossas reflexões sobre a maturidade.

Beijos

Ana Paula Britto disse...

Paula:
1° Não cai não...cai na rua do sabão!...hahaha
2° Adorei o texto da sua amiga-irmã. Mas é isso mesmo: coisas que antes me aborreciam agora eu relevo, relevo de novo, relevo outra vez, e assim vai.
Beijos

Paula Nigro disse...

Aníssima,
acho que o relevar tem mais a ver do que o aceitar. Lembra o que te falei sobre o que pensava sobre o aceitar, né?
Acho que o relevar é receber, absorver, refletir, compreender e não internalizar para si. Deixar passar. Acho que o aceitar deixa uma dose de remédio amargo na boca.
O relevar é deixar passar, sem aborrecimentos mesmo.
ai... acho que fui mega confusa...
Me falta maturidade ainda...rs!
Beijos

Ana Paula Britto disse...

Paula, eu acho que as duas coisas são importantes: relevar e aceitar. Tem coisas que a gente não consegue mudar, então ou a gente aceita como é, ou vive frustrado. Relevar é perdoar.
E eu te entendi muito bem viu? Não foi mega confusa...rs
Beijo

Pri Sganzerla disse...

Gostei tanto da sua reflexão, Ana! E eu acho que sim, talvez esse conjunto de escolhas que vc está fazendo na sua vida, mostrem que vc é uma pessoa madura. Ter crenças refletidas e procurar viver de acordo com elas nos traz leveza e justifica a caminhada. :-) Beijos!

Ana Paula Britto disse...

Oi Pri, obrigada pelo carinho!
Beijos...

Paula Nigro disse...

:0)