13 de setembro de 2009

Ando devagar

Faz tempo que não escrevo aqui. Tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo, agora, que não tive tempo nem para ler os blogs que tanto gosto. Mas fazia algum tempo que não me sentia como estou me sentindo hoje. E daí, sento aqui na frente do computador, consigo ler alguma coisa, pesquisar outras e me vem a vontade de desabafar. Na verdade o que eu queria mesmo, nesse momento, era de ter minha psicóloga no bolso, poder "vomitar" tudo o que eu estou sentindo. Mas como isso não é possível, assim como não é possível parar no meio da "viagem" ou voltar para a barriga da minha mãe e nascer de novo, o jeito é usar o meu blog e tentar aliviar a tensão. Ah...chorar é uma boa também.

Faz tempo que não choro com tanta vontade.
Faz tempo que não fico de saco cheio, que não questiono a vida como ela é.
Faz tempo que não questiono se o ser humano realmente precisa conviver com outras pessoas (essa é a pior parte, a mais dolorida).
Faz tempo que não percebo que não preciso de ninguém para me machucar pois eu me machuco sozinha. Algumas pessoas somente aumentam a dor.
Faz tempo que não atesto que sonho é simplesmente sonho, não vai sair do mundo da fantasia.
Faz tempo que não tenho aquela imensa vontade de largar tudo e sair pelo mundo sem lenço, sem documento, sem deixar endereço.

Daí que estou repetindo a frase da música do Almir Sater "Só levo a certeza de que muito pouco eu sei, ou nada sei".
Quem sabe, andando devagar, eu consiga ser mais forte e mais feliz compondo a minha história. Quem sabe...



Ando devagar porque já tive pressa,
E levo esse sorriso, porque já chorei demais,
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe,
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Ou nada sei.
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs.
É preciso amor pra puder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir.

Penso que cumprir a vida, seja simplesmente
Compreender a marcha, ir tocando em frente,
Como um velho boiadeiro, levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu vou,
Estrada eu sou
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maças.
É preciso amor pra puder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir.

Todo mundo ama um dia, todo mundo chora,
Um dia a gente chega, no outro vai embora,
Cada um de nos compõe a sua história, cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz, e ser feliz,
Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maças.
É preciso amor pra puder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir.

Nenhum comentário: